##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Carlos Caldas http://orcid.org/0000-0003-0472-7250

Resumen

Espiritualidade, entendida como busca do transcendente e vivência pessoal do que se constitui no objeto da fé, é fundamental em qualquer manifestação religiosa. No caso do cristianismo, em todos os seus principais ramos (Catolicismo Romano, Ortodoxia Oriental e Protestantismo), a espiritualidade tem importância que dificilmente poderá ser exagerada. Rubem Alves (1933-2014), um dos mais complexos e criativos pensadores que o protestantismo brasileiro produziu, inovou por completo a compreensão da espiritualidade, entendendo-a a partir de uma perspectiva erótica, isto é, do prazer, e pela experiência da estesia – estética. O presente artigo pretende apresentar alguns elementos desta compreensão alvesiana de espiritualidade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords

Rubem Alves, estética, spiritualidade, poesia, prazer

References
Alves, Rubem. A festa de Maria (4.ª ed.). Campinas: Papirus, 1999.
_____. A gestação do futuro. Campinas: Papirus, 1985.
_____. A Theology of Human Hope. New York (NY): Corpus Books, 1969.
_____. Creio na ressurreição do corpo. Meditações (2.ª ed.). Rio de Janeiro: Centro Ecumênico de Documentação e Informação, 1984.
_____. Da esperança. Campinas: Papirus, 1978.
_____. O enigma da religião. Campinas: Papirus, 1984.
_____. O que é religião. São Paulo: Brasiliense, 1984.
_____. O suspiro dos oprimidos (2.ª ed.). São Paulo: Paulinas, 1987.
_____. Pai nosso. Meditações (6.ª ed.). São Paulo: Paulus, 1987.
_____. Protestantismo e repressão. São Paulo: Ática, 1982.
_____. Religião e repressão. São Paulo: Loyola, 2005.
_____. “Sobre deuses e caquis”. In Da esperança, por R. Alves, 41-42. Campinas: Papirus, 1987.
_____. Tomorrow’s Child. New York (NY): Harper & Row, 1972.
_____. Variações sobre a vida e a morte ou o feitiço herético-erótico da teologia. São Paulo: Loyola, 2005.
_____. Variações sobre o prazer (Santo Agostinho, Nietzasche, Marx e Babette). São Paulo: Planeta, 2012.
Boff, Clodovis. Teologia e prática – teologia do político e suas mediações. Petrópolis: Vozes, 1978.
Butzke, Paulo Afonso. “Espiritualidade”. Em Dicionário brasileiro de teologia, editado por Fernando Bortolleto Filho, J. C. de Souza e N. Kilpp, 387-390. São Paulo: ASTE, 2008.
Caldas, Carlos. “A polifonia e o ipê-amarelo: anotações sobre o ‘primeiro’ Rubem Alves como leitor de Dietrich Bonhoeffer”. Estudos teológicos 54, Vol. 2 (2014): 271-283.
Casaldáliga, Pedro e José Maria Vigil. Espiritualidade da libertação (4.ª ed.). Petrópolis: Vozes, 1996.
Cervantes-Ortiz, Leopoldo. A teologia de Rubem Alves: poesia, brincadeira e erotismo. Campinas: Papirus, 2005.
Cox, Harvey. A festa dos foliões. Petrópolis: Vozes, 1974.
Dal Corso, Marco. Rubem Alves. Collana pensiero teologico. Brescia: Morcelliana, 2016.
Galilea, Segundo. Espiritualidade da libertação. Petrópolis: Vozes, 1975.
Gutiérrez, Gustavo. Beber em seu próprio poço. Itinerário espiritual de um povo. São Paulo: Loyola, 2000.
Huizinga, Johanes. Homo ludens. O jogo como elemento da cultura (5.ª ed.). São Paulo: Perspectiva, 2008.
Junior, Gonçalo. É uma pena não viver. Uma biografia de Rubem Alves. São Paulo: Planeta, 2015.
Mondin, Battista. Os teólogos da libertação. São Paulo: Paulinas, 1980.
McIntosh, Mark A. Mystical Theology. London: Blackwell Publishers, 1998.
O’Donnell, John. Introdução à teologia dogmática. São Paulo: Loyola, 1999.
Puleo, Mev. The Struggle is One. Voices and Visions of Liberation. New York (NY): State University of New York Press, 1994.
Reblin, Iuri Andréas. Outros cheiros, outros sabores... O pensamento teológico de Rubem Alves. São Leopoldo: Oikos Editora e Faculdades EST, 2009.
Smart, Ninian. Dimensions of the Sacred. An Anatomy of World’s Beliefs. Berkeley (CA): University of California Press, 1996.
Cómo citar
Caldas, C. (2018). A espiritualidade estético-erótica de Rubem Alves. Theologica Xaveriana, 68(186). https://doi.org/10.11144/javeriana.tx68-186.aeera
Sección
Artículos
Artículos más leídos del mismo autor/a