##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Mônica Maria de Jesus Silva http://orcid.org/0000-0002-4532-3992

Semara Caroline Brandão Silva http://orcid.org/0000-0002-1066-6709

Gabriel Arruda Melo http://orcid.org/0000-0003-2996-9694

Resumen

Introdução: Inúmeros fatores estão envolvidos na tomada de decisão da mulher pelo tipo de parto a ser escolhido. Quando se trata da mulher primigesta, as experiências prévias não se fazem presentes, porém, outros fatores podem então influenciá-la na escolha pelo modo de parir. Objetivo: identificar a preferência da gestante primigesta quanto à via de parto, conhecer os fatores que influenciam a sua tomada de decisão nessa escolha, e as suas expectativas em relação ao parto mediante a via escolhida. Método: estudo descritivo com abordagem quantitativa realizado com 35 primigestas em acompanhamento pré-natal nas unidades públicas de saúde em um município do Sul de Minas Gerais, Brasil. A coleta de dados ocorreu em agosto e setembro de 2015 e utilizou um formulário semiestruturado. Resultados: predominou a escolha pela via de parto vaginal, a presença de expectativas positivas em relação a via escolhida e a não influência de terceiros sobre a tomada de decisão. Conclusão: a decisão da mulher na escolha da via de parto está se transformando em uma preferência e não apenas em uma indicação profissional, o que ressalta a importância da educação em saúde na consulta pré-natal.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords
References
1. Nascimento RRP, Arantes SL, Souza EDC, Contrera L, Sales APA. Escolha do tipo de parto: fatores relatados por puérpera. Rev Gaúcha Enferm. 2015;36(esp):119-26. https://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56496

2. Ministério da Saúde. Programa de humanização do parto: Humanização no pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

3. Junior TL, Steffani JA, Bonamigo EL. Escolha da via de parto: expectativa de gestantes e obstetras. Rev Bioét. 2013;21(3):509-17.

4. Velho MB, Santos EKA, Collaço VS. Parto normal e cesárea: representações sociais de mulheres que os vivenciaram. Rev Bras Enferm. 2014;67(2): 282-9. https://dx.doi.org/10.5935/0034-7167.20140038

5. Copelli FHS, Rocha L, Zampieri MFM, Gregório VRP, Custódio ZAO. Fatores determinantes para a preferência da mulher pela cesariana. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. 2015;24(2): 336-43. https://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015000430014

6. Rezende CL, Souza JC. Qualidade de vida das gestantes de alto risco de um centro de atendimento à mulher. Psicol Inf. 2012;16(16):45-69.

7. Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Dal Pizzol TS. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública (Rio de Janeiro). 2012;28(4):789-800. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018

8. Ferreira LA, Silva JAJ, Zuffi FB, Mauzalto ACM, Leite CP, Nunes JS. Expectation of pregnant women in relation to childbirth. R Pesq: Cuid Fundam Online. 2013;5(2):3692-97. https://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2013.v5i2.3692-3697

9. Weidle WG, Medeiros CRG, Grave MTQ, Dal Bosco SM. Escolha da via de parto pela mulher: autonomia ou indução? Cad Saúde Colet. 2014;22(1):46-53. https://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201400010008

10. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília (DF); 2012.

11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Assistência pré-natal: manual técnico. Brasília (DF); 2000.

12. Montoya DIG, Mazuelo EMG, López CPH. Experiencias de las mujeres durante el trabajo del parto y parto. Av Enferm. 2015;33(2):271-81. https://doi.org/10.15446/av.enferm.v33n2.42279
Cómo citar
Silva, M., Silva, S., & Melo, G. (2019). Autonomia da gestante na escolha do tipo de parto. Investigación En Enfermería: Imagen Y Desarrollo, 21(2). https://doi.org/10.11144/Javeriana.ie21-2.aget
Sección
Artículos Originales de Investigación
Artículos más leídos del mismo autor/a