##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Maurício Corrêa da Silva https://orcid.org/0000-0003-2036-5237

João Carlos Hipólito Bernardes do Nascim https://orcid.org/0000-0003-3505-372X

José Dionísio Gomes da Silva https://orcid.org/0000-0002-7289-0220

José Ricardo Maia de Siqueira https://orcid.org/0000-0001-5219-6621

Resumen

O presente estudo discute as contribuições da aplicação da Teoria da Resposta ao Item ­–TRI– nas avaliações de aprendizagem do ensino contábil brasileiro. A TRI possibilita a estimação, além da habilidade do respondente, dos parâmetros de dificuldade, discriminação e acertos casuais de cada item. Como resultado das discussões teóricas, notou-se que, entre os principais benefícios provenientes da aplicação da TRI no ensino contábil, destacam-se: o desenvolvimento de avaliações que capturam os parâmetros dos itens; a elaboração de bancos de itens que possibilitará a aplicação de provas equivalentes em datas distintas, a identificação de itens enviesados evitará problemas de injustiça social e a equiparação de escores proporcionará uma avaliação comparativa mais adequada. Assim, os artigos analisados justificam a abordagem da aplicação da técnica da TRI nas avaliações de aprendizagem do ensino contábil brasileiro pelos elementos problematizados na formação pedagógica dos docentes do Curso de Graduação em Ciências Contábeis.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords
References
Allega, O., Leng, X., Vaccarino, A., Skelly, M., Lanzini, M., Hidalgo, M., Soares, C., Kennedy, S., & Frey, B. (2018). Performance of the biological rhythms interview for assessment in neuropsychiatry: An item response theory and actigraphy analysis. Journal of Affective Disorders, 225, 54-63. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jad.2017.07.047

Almeida, S. R., & Costa, T. A. (2014). A familiaridade dos professores de Ciências Contábeis com diferentes técnicas de ensino: uma análise nas Universidades Públicas do Rio de Janeiro. Revista de Educação, Gestão e Sociedade, 15, 1-19.

Andere, M. A., & Araújo, A. M. (2008). Aspectos da formação do professor de ensino superior de ciências contábeis: uma análise dos programas de pós-graduação. Revista Contabilidade & Finanças, 19(48), 91-102.

Andrade, D. F., Tavares, H. R., & Valle, R. C. (2000). Teoria da Resposta ao Item: Conceitos e Aplicações. São Paulo: Associação Brasileira de estatística, SINAPE.

Andrade, J. M., Laros, J. A., & Gouveia, V. V. (2010). O uso da teoria de resposta ao item em avaliações educacionais: diretrizes para pesquisadores. Avaliação Psicológica, 9(3), 421-435.

Andriola, W. B. (2011). Doze motivos favoráveis à adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) pelas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 19(70), 107-126.

Anthony, C. J., DiPerna, J. C., & Lei, P. W. (2016). Maximizing measurement efficiency of behavior rating scales using Item Response Theory: An example with the social skills improvement system - Teacher rating scale. Journal of School Psychology, 55, 57-69. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2015.12.005

Araújo, A. O., & Moraes Júnior, V. F. (2012). Avaliação da aprendizagem: uma experiência do uso do portfólio em uma disciplina do curso de ciências contábeis. Revista Ambiente Contábil, 4(1), 36-50.

Araújo, E. A., Andrade, D. F., & Bortolotti, S. L. (2009). Teoria da Resposta ao Item. Rev Esc Enferm USP, 43(spe), 1000-1008.

Ayala, R. J., & Santiago, S. Y. (2017). An introduction to mixture item response theory models. Journal of School Psychology, 60, 25-40. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2016.01.002

Ayis, S. A., Ayerb, L., Ashworth, M., & Wolfe, C. D. (2018). Evaluation of the Hospital Anxiety and Depression Scale (HADS) in screening stroke patients for symptoms: Item Response Theory (IRT) analysis. Journal of Affective Disorders, 228, 33-40. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jad.2017.11.037

Baker, F. B. (2001). The basics of item response theory. New York: ERIC Clearinghouse on Assessment and Evaluation.

Barbetta, P. A., Trevisan, L. M., Tavares, H., & Azevedo, T. C. (2014). Aplicação da teoria da resposta ao item uni e multidimensional. Est. Aval. Educ., 25(57), 280-302.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA.
Batista, S. M., & Ibiapina, I. M. (2016). Possibilidades da prática avaliativa no ensino superior: uma experiência colaborativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 11(4), 1994-2011. DOI: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v11.n4.7392

Borba, A. M., Ferri, C., & Hostins, R. C. (2007). Avaliação da aprendizagem no ensino superior: questões que emergem da prática docente. Contrapontos, 7(1), 43-54.

Borges, J., Moreira, T., Schmitt, J., Andrade, D., Barbetta, P., Souza, A., Lima, D., & Carvalho, I. (2017). Medição da qualidade de vida em hipertensão arterial segundo a Teoria da Resposta ao Item. Rev Saúde Pública, 51, maio 04. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006845

Bortolotti, S., Moreira Júnior, F., Bornia, A., Sousa Júnior, A., & Andrade, D. (2012). Avaliação do nível de satisfação de alunos de uma instituição de ensino superior: uma aplicação da Teoria da Resposta ao Item. Gestão e Produção, 19(2), 287-302.

Brighenti, J., Biavatti, V. T., & Souza, T. R. (2015). Metodologias de ensino aprendizagem: uma abordagem sob a percepção dos alunos. Revista GUAL, 8(3), 281-304. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2015v8n3p281

Butler, A. C. (2018). Multiple-choice testing in education: Are the best practices for assessment also good for learning? Journal of Applied Research in Memory and Cognition, 7(3), 323-331. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jarmac.2018.07.002

Crowe, M., Sleep, C., Carter, N., Campbell, W., & Miller, J. (2018). Self-esteem and narcissism: An item response theory analysis of curvilinearity. Personality and Individual Differences, 128, 16-20. DOI: https://doi.org/10.1016/j.paid.2018.02.016

Farias, R., & Araújo, A. (2016). Percepção dos professores de contabilidade quanto aos espaços formativos para o ofício da docência no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, 28, 59-70. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/rco.v10i28.124789

Farias, R., Lima, J., Vendramin, E., Aráujo, A., & Zanini, R. (2018). O que é ser um bom professor? Análise das competências docentes pela ótica discente. Revista Mineira de Contabilidade, 19(3), 15-27. DOI: https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2018v19n3t02

Garcia, J. (2009). Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, 20(43), 201-213.

Gifford, K., Liu, D., Romano, R., Jones, R., & Jefferson, A. (2015). Development of a subjective cognitive decline questionnaire using item response theory: A pilot study. Alzheimer’s & Dementia: Diagnosis, Assessment & Disease Monitoring, 1, 429-439. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.dadm.2015.09.004

Gilioli, A., Cassaro, M., Santos, F., Amaral, P., Cardoso, R., & Benedicto, G. (2016). Ensino-aprendizagem na área da educação contábil: uma investigação teórico-empírica. RISUS – Journal on Innovation and Sustainability, 7(3), 3-28.

Hambleton, R. K., Swaminathan, H., & Rogers, H. J. (1991). Fundamentals of item response theory. Newbury Park: Sage Publications.

Harvey, R. J. (2016). Improving Measurement via Item Response Theory: Great Idea, But Hold the Rasch. The Counseling Psychologist, 44(2), 195-204. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0011000015615427

Heafner, T. L., & Fitchett, P. G. (2018). US history content knowledge and associated effects of race, gender, wealth, and urbanity: Item Response Theory (IRT) modeling of NAEP-USH achievement. Journal of Social Studies Research, 42, 11-25. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jssr.2017.01.001

Hillen, C., Laffin, M., & Ensslin, S. R. (2018). Proposições sobre formação de professores na área contábil. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 26(106), 81-98. DOI: http://dx.doi.org/10.14507/epaa.26.3060

Hoertel, N., Peyre, H., Lavaud, P., Blanco, C., Guerin-Langlois, C., René, M., Schuster, J. P., Lemogne, C., Delorme, R., & Limosin, F. (2018). Examining sex differences in DSM-IV-TR narcissistic personality disordersymptom expression using Item Response Theory (IRT). Psychiatry Research, 260, 500-507. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psychres.2017.12.031

Huang, Y., Lee, J., Chen, Z., Perry, M., Cheung, J., & Wang, M. (2017). An item-response theory approach to safety climate measurement: The liberty mutual safety climate short scales. Accident Analysis and Prevention, 103, 96-104. DOI: https://doi.org/10.1016/j.aap.2017.03.015

Hung, S. P. (2018). Validating the creative self-efficacy student scale with a Taiwanese sample: An item response theory-based investigation. Thinking Skills and Creativity, 27, 190-203. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tsc.2018.02.006

INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2011). Procedimento de cálculo das notas do Enem. Disponível em: < http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/nota_tecnica/2011/nota_tecnica_procedimento_de_calculo_das_notas_enem_2.pdf>. Acesso em 13 Jan. 2019.

Keinänen, M., Ursin, J., & Nissinen, K. (2018). How to measure students’ innovation competences in higher education: Evaluation of an assessment tool in authentic learning environments. Studies in Educational Evaluation, 58, 30-36. DOI: https://doi.org/10.1016/j.stueduc.2018.05.007

Laffin, M., & Gomes, S. M. (2016). Formação do professor de contabilidade: O tema em debate. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 24(77). DOI: http://dx.doi.org/10.14507/epaa.24.2372
Leal, E., & Borges, M. (2016). Estratégias de ensino aplicadas na área da contabilidade gerencial: um estudo com discentes do curso de ciências contábeis. Revista Ambiente Contábil, 8(2), 1-18.

Leeuwenkamp, K. J., Brinke, D. J., & Kester, L. (2017). Assessment quality in tertiary education: An integrative literature review. Studies in Educational Evaluation, 55, 94-116. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.stueduc.2017.08.001

Lord, F. M., & Novick, M. R. (1968). Statistical theories of mental test scores. Reading, MA: Addison Wesley.

Luo, Y., & Jiao, H. (2018). Using the Stan program for Bayesian item response Theory. Educational and Psychological Measurement, 78(3), 384-408. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0013164417693666

Machado, D. C., & Barbetta, P. A. (2015). Aplicação da Teoria de Resposta ao Item nos questionários de contextualização do Saeb 2011. Anais ... IV Conbratri - Congresso Brasileiro de Teoria da Resposta ao Item Nº 2, 49-72.

Marino, M., Dore, E., Ni, P., Ryan, C., Schneider, J., Acton, A., Jette, A., & Kazis, L. (2018). Developing Item Response Theory - Based short forms to measure the social impact of burn injuries. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 99, 521-528. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apmr.2017.06.037

Matos, D. A., Cirino, S. D., Brown, G. T. L., & Leite, W. L. (2013). Avaliação no ensino superior: concepções múltiplas de estudantes brasileiros. Estudos em Avaliação Educacional, 24(54), 172-193.

Matzembacher, D. E., Stangherlin, I. C., Slongo, L. A., & Cataldi, R. (2018). An integration of traceability elements and their impact in consumer’s trust. Food Control, 92, 420-429. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foodcont.2018.05.014

Moreira Júnior, F. J. (2010). Aplicações da teoria da resposta ao item (TRI) no Brasil. Revista Brasileira de Biometria, 28(4), 137-170.

Moreira Júnior, F. J., Zanella, A., Lopes, L. F. D., & Seidel, E. J. (2015). Avaliação da satisfação de alunos por meio do Modelo de Resposta Gradual da Teoria da Resposta ao Item. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 23(86), 129-158.

Muñoz-Merino, P. J., Novillo, R. G., & Kloos, C. D. (2018). Assessment of skills and adaptive learning for parametric exercises combining knowledge spaces and item response theory. Applied Soft Computing, 68, 110-124. DOI: https://doi.org/10.1016/j.asoc.2018.03.045

Nascimento, J. C. H. B., Barbosa, F. L. S., & Bizarria, F. P. A. (2018). Orientação Ambidestra: Uma Proposição de Operacionalização por Meio da Teoria de Resposta ao Item. In: XLII Encontro da ANPAD, Anais... Curitiba-PR.

Nascimento, J. C., Bernardes, J. R., Sousa, W. D., & Lourenço, R. L. (2016). Avaliação Institucional: Aplicação da Teoria da Resposta ao Item para avaliação discente em Ciências Contábeis. Future Studies Research Journal, 8(2), 117-143.

Nascimento, J. C., Macedo, M. A., Siqueira, J. R., & Bernardes, J. R. (2016). Alfabetização financeira: um estudo por meio da aplicação da teoria de resposta ao item. Administração: Ensino e Pesquisa, 17(1), 147-175. DOI: http://dx.doi.org/10.13058/raep.2016.v17n1.341

Nascimento, J. C., Nossa, V., & Balassiano, M. (2013), O Analfabetismo Funcional e a Contabilidade: Um Estudo Exploratório com Alunos Concluintes da Graduação das Instituições de Ensino Superior do Estado do Espírito Santo. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 8(3), 37-54.

Obbarius, N., Fischer, F., Obbarius, A., Nolte, S., Liegl, G., & Rose, M. (2018). A 67-item stress resilience item bank showing high content validity was developed in a psychosomatic sample. Journal of Clinical Epidemiology, 100, 1-12. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2018.04.004

Ott, E., Cunha, J. V., Cornacchione Júnior, E. B., & De Luca, M. M. (2011). Relevância dos conhecimentos, habilidades e métodos instrucionais na perspectiva de estudantes e profissionais da área contábil: estudo comparativo internacional. Revista Contabilidade & Finanças – USP, 22(57), 338-356.

Pasquali, L. (1996). Teoria da resposta ao item – IRT: uma Introdução. In: Pasquali, L. (Org). Teoria e métodos de medida em ciências do comportamento. Brasília: Laboratório de Pesquisa em Avaliação e Medida, Instituto de Psicologia - UnB: INEP.

Peleias, I. R., Mendonça, J. F., Slomski, V. G., & Fazenda, I. C. (2011). Interdisciplinaridade no ensino superior: análise da percepção de professores de controladoria em cursos de ciências contábeis na cidade de São Paulo. Avaliação, 16(3), 499-532.

Pereira, D. R., & Flores, M. A. (2012). Percepções dos estudantes universitários sobre a avaliação das aprendizagens: um estudo exploratório. Avaliação, 17(2), 529-556.

Picolli, M. R., & Biavatti, V. T. (2017). Avaliação da aprendizagem no curso de ciências contábeis: uma abordagem a partir dos instrumentos avaliativos dos planos de ensino das disciplinas do eixo profissional. Revista Brasileira de Contabilidade, 225, 52-65.

Pinheiro, P. M., & Santos, R. R. (2012). Avaliação da aprendizagem no Ensino Superior: perspectivas críticas ou técnicas? Polyphonía, 23/1.

Popescu-Mitroia, M. M., Todorescu, L. L., & Greculescu, A. (2015). The usefulness of portfolios as assessment tools in higher education.
Procedia - Social and Behavioral Sciences, 191, 2645-2649. DOI: https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2015.04.722
professores da educação superior: reflexões sobre a aprendizagem para a docência. Educ. Soc., Campinas, 37(136), 841-857. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302016151055

Pryjma, M. F., & Oliveira, O. S. (2016). O desenvolvimento profissional dos

Quaresma, E. S., Barbetta, P. A., Borgatto, A. F., Bautista, E. A. L., & Dias, C. T. S. (2014). Construção de escalas de proficiência para exames seletivos, por meio da Teoria da Resposta ao Item. Revista da Estatística da Universidade Federal de Ouro Preto, 3, 328-332.

Reckase, M. D. (2009). Statistics for Social and Behavioral Sciences: Multidimensional Item Response Theory. Springer: New York.

Rodrigues, M. T., Moreira, T. M., Vasconcelos, A. M., Andrade, D. F., Silva, D. B., & Barbetta, P. A. (2013). Instrumento mensurador de adesão para hipertensos: contribuição da Teoria da Resposta ao Item. Revista de Saúde Pública, 47, 523-530. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004439

Rusch, T., Lowry, P. B., Mair, P., & Treiblmaier, H. (2017). Breaking free from the limitations of classical test theory: Developing and measuring information systems scales using item response theory. Information & Management, 54, 189-203. DOI : http://dx.doi.org/10.1016/j.im.2016.06.005

Sabbag, P. Y., Bernardi JR, P., Goldszmidt, R., & Zambaldi, F. (2010). Validação de Escala para Mensurar Resiliência por Meio da Teoria de Resposta ao Item (TRI). In XXXIV EnANPAD, Rio de Janeiro. Anais ... EnANPAD.

Schivinski, B., Brzozowska-Wos, M., Buchanan, E. M., Griffiths, M. D., & Pontes, H. M. (2018). Psychometric assessment of the Internet Gaming Disorder diagnostic criteria: An Item Response Theory study. Addictive Behaviors Reports, 8, 176-184. DOI: https://doi.org/10.1016/j.abrep.2018.06.004

Sekely, A., Taylor, G. J., & Bagby, R. M. (2018). Developing a short version of the Toronto Structured Interview for Alexithymia using item response theory. Psychiatry Research, 266, 218-227. DOI: https://doi.org/10.1016/j.psychres.2018.03.002

Silva, D. S., Matos, P. M., & Almeida, D. M. (2014). Métodos avaliativos no processo de ensino e aprendizagem: uma revisão. Cadernos de Educação, 47, 73-84.

Slomski, V. G. (2007). Saberes e competências do professor universitário: contribuições para o estudo da prática pedagógica do professor de ciências contábeis do brasil. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações, 1(1), 87-103.

Sordi, M. R., & Ludke, M. (2009). Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: aprendizagens necessárias. Avaliação, 14(2), 313-336.

Souza, A. M. (2012). Avaliação da aprendizagem no ensino superior: aspectos históricos. Revista Exitus, 2(1), 231-254.

Toland, M. D. (2014). Practical guide to conducting an item response theory analysis. Journal of Early Adolescence, 34(1), 120-151. DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0272431613511332

Tracey, T. J., & Tao, C. (2018). Response latency in interest assessment: An added tool? Journal of Vocational Behavior, 108, 121-131. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jvb.2018.07.001

Turra, C. M., Enricone, D., Sant’Anna, F. M., & André, L. C. (1989). Planejamento de ensino e avaliação. 11. ed., Porto Alegre: Editora Sagra Luzzatto.

Uto, M., & Ueno, M. (2018). Empirical comparison of item response theory models with rater’s parameters. Psychology, Information Science, 4(5), DOI : https://doi.org/10.1016/j.heliyon.2018.e00622

Vendramini, C. M. M., & Dias, A. S. (2005). Teoria de Resposta ao Item na análise de uma prova de estatística em universitários. Psico-USF, 10(2), 201-210.

Vincenzi, S. L., Possan, E., Andrade, D. F., Pituco, M. M.,Santos, T. O., & Jasse, E. P. (2018). Assessment of environmental sustainability perception through item response theory: A case study in Brazil. Journal of Cleaner Production, 170, 1369-1386. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2017.09.217

Yang, J. S., & Zheng, X. (2018). Item Response Data Analysis Using Stata Item Response Theory Package. Journal of Educational and Behavioral Statistics, 43(1), 116-129. DOI: http://dx.doi.org/10.3102/1076998617749186
Cómo citar
Corrêa da Silva, M., Bernardes do Nascim, J., Gomes da Silva, J., & Maia de Siqueira, J. (2019). Un abordaje sobre la aplicación de la Teoría de la Respuesta al Item en las evaluaciones de aprendizaje de la enseñanza contable brasileña. Cuadernos De Contabilidad, 20(50), 1-21. https://doi.org/10.11144/Javeriana.cc20-50.aatr
Sección
Artículos
Artículos más leídos del mismo autor/a