##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Clea Beatriz Macagnan https://orcid.org/0000-0002-9097-7266

Rodrigo Vargas Laureano https://orcid.org/0000-0001-9141-3916

Victorino Piccinini Rosso https://orcid.org/0000-0002-7929-4149

Daniel Wartchow https://orcid.org/0000-0003-1773-8397

Resumen

Esta pesquisa analisa o grau de transparência dos Tribunais de Contas brasileiros, considerando a disponibilidade dos seus relatórios de atividades nas respectivas páginas eletrônicas na Internet e seu conteúdo. As evidências indicam que 26,5% dos relatórios de atividades não estavam disponibilizados, no período analisado, nas páginas eletrônicas dos Tribunais de Contas brasileiros, indicando a existência de problemas de transparência e/ou de tempestividade na divulgação de tais informações. Em relação aos relatórios disponibilizados, realizou-se a análise de conteúdo e foi observada a ausência de padronização dos mesmos, o que traz prejuízos à comparabilidade entre as informações divulgadas pelos Tribunais de Contas. Os resultados desta pesquisa evidenciam que os Tribunais de Contas brasileiros, em seu conjunto, não cumprem adequadamente a recomendação do sistema de Governança Pública, na medida em que deixam de informar sobre o seu comportamento e as atividades desenvolvidas. Esse cenário leva a inferir a necessidade que têm os Tribunais de Contas brasileiros de aprimoramento de transparência e accountability de acordo com as práticas recomendadas de governança pública.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords
References
ACRE. (1989). Constituição do Estado do Acre. Disponível em: www.al.ac.leg.br/wp-content/uploads/2014/10/constituição_atualizada.pdf. Acesso em: 20/09/2017.

Arantes, R. B., Loureiro, M. R., Couto, C., & Teixeira, M. A. (2010). Controles democráticos sobre a administração pública no Brasil: Legislativo, Tribunais de Contas, Judiciário e Ministério Público. Em Loureiro et al. Burocracia e política no Brasil. Desafios para o Estado democrático no século XXI. (v. 26). Rio de Janeiro: FGV.

Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. (2012). ABNT NBR 6024 Informação e documentação, Numeração progressiva das seções de um documento. Rio de Janeiro.

Bahia. (1989). Constituição do Estado da Bahia. Disponível em: www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=73273. Acesso em: 20/09/2017.

Bakar, N. B., & Saleh, Z. (2011). Incentives for disclosure of accounting information in public sector: a literature survey. International Research Journal of Finance and Economics, 75(1), 24-38.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 20/09/2017.

Brasil. (2000). Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp101.htm. Acesso em: 20/09/2017.

Brasil. (2009). Lei Complementar 131, de 27 de maio de 2009. Acrescenta dispositivos à Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, a fim de determinar a disponibilização, em tempo real, de informações pormenorizadas sobre a execução orçamentária e financeira da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp131.htm. Acesso em: 20/09/2017.

Brasil. (2011). Lei Federal 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5, no inciso II do § 3 do art. 37 e no § 2 do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 20/09/2017.

Brasil. (2017). Decreto 9.203, de 22 de novembro de 2017. Dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9203.htm. Acesso em: 27/01/2019.

Copley, P. A. (1991). The association between municipal disclosure practices and audit quality. Journal of Accounting and Public Policy, 10(4), 245-266. DOI: https://doi.org/10.1016/0278-4254(91)90001-Z

Fernandes, G. A. L., Fernandes, I. L. A., & Teixeira, M. C. (2018). Estrutura de funcionamento e mecanismos de interação social nos tribunais de contas estaduais. Revista do Serviço Público, 69, 123-150. DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3585

Filomena, C. L. (2012). Democracia, políticas públicas e controle. Em M. Oliveira de, & S. T. Bergue (Orgs.), Políticas públicas: definições, interlocuções e experiências (pp. 165-183). Recurso eletrônico. Caxias do Sul/RS. Educs.

Franco, L. M. G., Rezende, D. A., Figueiredo, F. de C., & Nascimento, C. (2014). Nível de divulgação eletrônica da contabilidade pública dos municípios do Paraná no Ambiente da Internet. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 140-153. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n38p140

Fundo Monetário Internacional – FMI. (2007). Manual de Transparência Fiscal. Disponível em: https://www.imf.org/external/np/fad/trans/por/manualp.pdf. Acesso em 20/09/2017.

Galera, A., Valencia, P. T., Lozano, M. R., & Berjillos, A. L. (2015). Divulgación de información sobre responsabilidad social de los gobiernos locales europeos: El caso de los países nórdicos. Gestión y política pública, 24(1), 229-270. DOI: http://dx.doi.org/10.29265/gypp.v24i1.100

Goiás. (1989). Constituição do Estado de Goiás. Disponível em: www.gabinetecivil.goias.gov.br/constituicoes/constituicao_1988.htm. Acesso em: 20 de setembro de 2017.

International Federation of Accountants – IFAC. (2001). Governance in the public sector: A governing body perspective. Study 13. Disponível em: https://www.ifac.org/publications-resources/study-13-governance-public-sector. Acesso em 20 de setembro de 2017.

Jacques, F. V. S., Quintana, A. C., & Macagnan, C. B. (2013). Transparência em municípios da região sul do Brasil. Em XXXVII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro. Anais eletrônicos.

Kooiman, J. (1999). Social-political governance: Overview, reflections and design. Public Management: An International. Journal of Research and Theory, 1(1), 67-92. DOI: https://doi.org/10.1080/14719037800000005

Lino, A. F., & Aquino, A. C. B. de. (2018). A diversidade dos Tribunais de Contas regionais na auditoria de governos. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), 26-40. DOI: 10.1590/1808-057x201803640

Machado, V. N., & Macagnan, C. B. (2015). Public governance: Factors of disclosure from the Municipalities of southern Brazil. Journal of Public Administration and Governance, 5(4), 1-22. DOI: 10.5296/ jpag.v5i4.8409.

Martani, D., Nastiti, D., & Wicaksono, P. T. (2014). Disclosure of non-financial information about public services on the official website of local governments in Indonesia. Journal of Theoretical & Applied Information Technology, 66(1), 500-512.

Melo, M. A., Pereira, C., & Figueiredo, C. M. (2009). Political and institutional checks on corruption: Explaining the performance of Brazilian audit institutions. Comparative Political Studies, 42(9), 1217-1244. DOI: https://doi.org/10.1177/0010414009331732

O’Donnell, G. (1998). Horizontal Accountability in New Democracies. Journal of Democracy, 9(3), 112-126. DOI:10.1353/jod.1998.0051

Organização das Nações Unidas – ONU. (2007). Public Governance Indicators: A Literature Review. New York: ST/ESA/PAD/SER.E/100, ONU.

Osborne, S. P. (2006). The New Public Governance? Public Management Review, 8(3), 377-387. DOI: https://doi.org/10.1080/14719030600853022

Peters, B. G., & Pierre, J. (1998). Governance Without Government? Rethinking Public Administration. Journal of Public Administration Research and Theory – J-PART, 8(2), 223-243. DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.jpart.a024379

Sánchez, I. M. G., Aceituno, J. V. F., & Domínguez, L. R. (2013). Determinants of corporate social disclosure in Spanish local governments. Journal of Cleaner Production, 39, 60-72. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2012.08.037

Santa Catarina. (1989). Constituição do Estado de Santa Catarina. Disponível em: http://leis.alesc.sc.gov.br/html/constituicao_estadual_1989.html. Acesso em: 20/09/2017.

São Paulo. (1989). Constituição do Estado de São Paulo. Disponível em: www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/constituicao/1989/compilacao-constituicao-0-05.10. 1989.html. Acesso em: 20/09/2017.

Simões, E. (2014). Tribunais de contas - Controle Externo das Contas Públicas. São Paulo, Editora Saraiva.

Spamann, H., & Naughton, J. (2015). Fixing public sector finances: The accounting and reporting lever. UCLA. Law Review, 62, 572.

Speck, B. W. (2000). Inovação e rotina no Tribunal de Contas da União: o papel da instituição superior de controle financeiro no sistema político-administrativo do Brasil. São Paulo, Konrad Adenauer Stiftung.

Tribunal de Contas da União – TCU. (2018). Relatório de Gestão na forma de Relato Integrado. Disponível em: https://portal.tcu.gov.br/biblioteca-digital/orientacoes-para-elaboracao-do-relatorio-de-gestao.htm. Acesso em 27/01/2019.
Cómo citar
Macagnan, C., Vargas Laureano, R., Piccinini Rosso, V., & Wartchow, D. (2019). ¿Son transparentes los Tribunales de Cuentas brasileños?. Cuadernos De Contabilidad, 20(50), 1-16. https://doi.org/10.11144/Javeriana.cc20-50.tcbt
Sección
Artículos
Artículos más leídos del mismo autor/a