Publicado Dec 30, 2020



PLUMX
Almetrics
 
Dimensions
 

Google Scholar
 
Search GoogleScholar
Descargas


Carla Fonte

Ana Filipa Silva Pereira https://orcid.org/0000-0002-8337-2672

Ana Inês Santos Prior https://orcid.org/0000-0001-6150-4681

Marlene Ferreira

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Resumen

.

Keywords
References
1. Alves J, Ribeiro C, Campos S. A inteligência emocional em enfermeiros responsáveis por serviços hospitalares. Rev. Enf. 2012; 3(7):33-42.
2. Carvalho, C. Importância da inteligência emocional para a efetiva (ação) de uma assistência de enfermagem mais humanizada. Rev. da Uni. Vale do Rio Verde, Três Corações. 2013; 10(1): 630-638.
3. Carvalho C, Magalhães S. Inteligência emocional como estratégia de prevenção contra a síndrome de burnout. Rev. da Uni. Vale do Rio Verde, Três Corações. 2013; 11(2): 540-550.
4. Costa M, Faria, L. Inteligência emocional e satisfação profissional de enfermeiros e voluntários. Actas do X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia. 2009. 4467-4475.
5. Queirós, M. Inteligência Emocional – Aprenda a ser feliz. Porto: Porto Editora; 2014.
6. Silva M, Queirós C, Cameira M, Vara N, Galvão A. Burnout e engagement em profissionais de saúde do interior-norte de Portugal. Psicologia, Saúde e Doenças. 2015; 16(3):286-299.
7. Cadman C, Brewer J. Emotional intelligence: a vital prerequisite for recruitment in nursing. J Nurs Manag. 2001; 9: 321-324
8. Faria L, Lima Santos N. Competência Emocional: Adaptação do “Emocional Skills and Competence Questionnaire” (ESCQ). In Machado C, Almeida L, Guisande M, Gonçalves, Ramalho V. Actas das XI Conferência Internacional e Avaliação Psicológica: Formas e Contexto. 2006; 349-356.
9. Lima P, Sabino K, Gouveia M, Avelino F, Fernandes M. Fatores estressores e as estratégias de enfrentamento utilizadas por enfermeiros hospitalares: revisão. Investig. Enferm. Imagen Dessar. 2015; 17(2): 13-100.
10. Pinto D, Santos M, Pires R. Relevance of indicators of clinical supervision strategies in nursing. Rev. Ren. 2017; 18(1): 19-25.
11. Martinez M, Paraguay A, Latorre M. Relação entre satisfação com aspetos psicossociais e saúde dos trabalhadores. Rev. Saúde Pública. 2004; 38(1), 55-61.
12. Goleman, D. Inteligência emocional. 3.ed. Lisboa: Temas e Debates; 2003.
13. Goleman, D. Inteligência emocional. 13.ed. Lisboa: Temas e Debates; 2009.
14. Santana V, Gondim, S. Regulação emocional, bem-estar psicológico e bem-estar subjetivo. Estud. Psicol. (Natal). 2016; 21(1): 58-68.
15. Akerjordet K, Severinsson E. Emotional intelligence: a review of the literature with specific focus on empirical and epistemological perspectives. J. Clin. Nurs. 2007; 16: 1405-1416.
16. Bedin E, Ribeiro L, Barreto R. Humanização da assistência de enfermagem em centro cirúrgico. Rev. Eletrônica enferm. 2004; 6(3): 400-409.
17. Rodrigues N, Rebelo T, Coelho J. Adaptação da Escala de Inteligência Emocional de Wong e Law (WLEIS) e análise da sua estrutura factorial e fiabilidade numa amostra portuguesa. Psychologica. 2011; 55: 189-207.
18. Libbrecht N, Beuckelaer A, Lievens F, & Rockstuhl T. Measurement invariance of the wong and law emotional intelligence scale scores: Does the measurement structure hold across far eastern and european Countries? Applied Psychology: An International Review. 2014; 63(2), 223–237.
19. Keyes, C. Mental illness and/or mental health? Investigating axioms of the complete state model of health. J. Consult. Clin. Psychol. 2005; 73: 539–548.
20. Keyes, C. Mental well-being: International contributions to the study of positive mental health. Dordrecht: Springer; 2013.
21. Lamers S, Westerhof J, Bohlmeijer T. ten Klooster M., & Keyes, C. Evaluating the psychometric properties of the Mental Health Continuum-Short Form (MHC-SF). J. Clin. Psychol. 2011;67(1), 99–110.
22. Fonte C, Silva I, Vilhena E, Keyes C. The portuguese adaptation of the mental health continuum-short form for adult population. Community Ment. Health J. 2019; 1-8.
23. Ribeiro P, Honrado A, Leal I. Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das Escalas de Ansiedade, Depressão e Stress (EADS). Psicologia, Saúde & Doença, 2004; 5: 229–239.
24. Rahim M, Bonoma T. Managing organizational conflict: a model for diagnosis and intervention. Psychol. Rep. 1979; 44 (3): 1323-1344.
25. Cunha P, Silva P. Resolução de Conflitos em Contexto de Intervenção Social: análise em Centros Distritais de Solidariedade e Segurança social do Norte de Portugal. In C. Mediador (Chair), Atas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia. 2010; Universidade do Minho, Portugal.
26. Charmaz K. A Constructivist Grounded The, Analysis of Losing and Regaining A Valued Self. In Wertz, Frederick J., Charmaz, Kathy, McMullen, Linda J., Josselson, Ruthellen, Anderson, Rosemarie, and McSpadden, Emalinda. Five Ways of Doing Qualitative Analysis: Phenomenological Psychology, Grounded Theory, Discourse Analysis, Narrative Research, and Intuitive Inquiry. 2011; 165-204; New York: Guilford.
27. Takaki M, Sant’Ana. A empatia como essência no cuidado prestado ao cliente pela equipe de enfermagem de uma unidade básica de saúde. Cogitare Enferm. 2004; 9(1): 79-83.
28. Mota R, Martins C, Véras R. Papel dos profissionais de saúde na política de humanização hospitalar. Psicologia em Estudo. 2006; 11(2): 323-330.
Cómo citar
Fonte, C. ., Silva Pereira, A. F., Santos Prior, A. I., & Ferreira, M. (2020). Cuidar a los que se preocupan: efectividad de un programa de inteligencia emocional para enfermeros. Investigación En Enfermería: Imagen Y Desarrollo, 22. https://doi.org/10.11144/Javeriana.ie22.cqce
Sección
Artículos Originales de Investigación