Publicado ene 19, 2023



PLUMX
Almetrics
 
Dimensions
 

Google Scholar
 
Search GoogleScholar


Thais Gonçalves De Souza

Beatriz Pereira Alves

Anna Beatryz Lira da Silva

Isabela Lunara Alves Barbalho

Rayrla Cristina de Abreu Temoteo

Marcelo Costa Fernandes

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Resumen

Resumo


Introdução: observa-se que a população negra está mais vulnerável para algumas enfermidades devido a questões genéticas, ambientais, econômicas e sociais. Na saúde da mulher negra evidencia-se a necessidade de maior atenção ao desenvolvimento do câncer do colo uterino. Objetivo: identificar as dificuldades para prevenção do câncer do colo uterino a partir do discurso de mulheres quilombolas. Método: pesquisa descritiva de abordagem qualitativa, mediatizada pela metodologia da pesquisa-ação, realizada na comunidade remanescente de quilombolas intitulada “Os Quarenta”, localizada na cidade de Triunfo, Paraíba, Brasil, no ano de 2019. Resultados: Notou-se, a partir dos discursos das participantes, duas Ideias Centrais acerca dos problemas ou dificuldades que impossibilitam o diagnóstico precoce do câncer do colo de útero: vergonha como obstáculo para à prática do exame preventivo e autonegligência como fator determinante na ausência da procura pelos serviços de saúde. Conclusões: percebe-se que ao inserir às informações em saúde é importante levar em consideração os fatores sociais e culturais da comunidade visando adequar às práticas de acordo com representações a respeito do tema.

Keywords

women’s health, cervical neoplasms, quilombola communities, qualitative research, nursingsaúde da mulher, neoplasias do colo do útero, quilombolas, pesquisa qualitativa, enfermagemsalud de la mujer, neoplasias del cuello uterino, quilombola, investigación cualitativa, enfermería

References
Referências
1. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. 3º ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2017, 44p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_saude_populacao_negra_3d.pdf.
2. Santos DM. Os quilombolas e sua inserção nas políticas públicas: subsídios à discussão da política de ater quilombola. Rev. de Polít. Púb. 2017; 21(2): 1019-43. Disponível em: https://doi.org/10.18764/2178-2865.v21n2p1019-1044
3. Almeida CB, dos Santos AS, Vilela ABA, Casotti CA. Reflexão sobre o controle do acesso de quilombolas à saúde pública brasileira. Av Enferm. 2019; 37(1): 92-103. Disponível em: https://doi.org/10.15446/av.enferm.v37n1.69141.
4. Romero LS, Shimocomaqui GB, Medeiros ABR. Intervenção na prevenção e controle de câncer de colo uterino e mama numa unidade básica de saúde do nordeste do Brasil. Rev. bras. med. fam. Comunidade. 2017; 12(39):1-9. Disponível em: https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1356.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2017. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2019/10/estimativa-incidencia-de-cancer-no-brasil-2018.pdf.
6. Tsuchiya CT, Lawrence T, Klen MS, Fernandes RA, Alves MR. O câncer de colo do útero no Brasil: uma retrospectiva sobre as políticas públicas voltadas à saúde da mulher. J Bras Econ Saúde. 2017; 9(1):137-47. Disponível em: https://doi.org/10.21115/JBES.v9.n1.p137-47.
7. Sitaresmi MN, Rozanti NM, Simangunsong LB, Wahab A. Improvement of Parent’s awareness, knowledge, perception, and acceptability of human papillomavirus vaccination after a structured-educational intervention. BMC Public Health. 2020 [acesso 2021, 11/28]; 20(1):1-9. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12889-020-09962-1.
8. Lefèvre F, Lefèvre AMC. Discurso do sujeito coletivo: representações sociais e intervenções comunicativas. Texto & contexto enferm. 2014; 23(2):502-507. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-07072014000000014.
9. Alencar MLS, Mendes NA, Carvalho MTS. Dificuldades enfrentadas para realização do exame ginecológico preventivo. Braz. J. Surg. Clin. Res. 2019; 26(1):75-9. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20190407_140613.pdf.
10. Santos AMR, Holanda JBL, Silva JMO, dos Santos AAP, Silva EM. Câncer de colo uterino: conhecimento e comportamento de mulheres para prevenção. Rev. Bras. Promoç. Saúde. 2015; 28(2):153-9. Disponível em: https://doi.org/10.5020/18061230.2015.p153.
11. Santos TLS, Silveira MB, Rezende HHA. A importância do exame citopatológico na prevenção do câncer do colo uterino. Enciclopédia biosfera. 2019; 16(29). Disponível em: https://doi.org/10.18677/EnciBio_2019A151.
12. Lopes VAS, Ribeiro JM. Fatores limitadores e facilitadores para o controle do câncer de colo de útero: uma revisão de literatura. Ciênc. saúde coletiva, 2019; 24(9): 3431-42. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018249.32592017.
13. Rafael RMR, de Moura ATMS. Modelo de Crenças em Saúde e o rastreio do câncer do colo uterino: avaliando vulnerabilidades. Rev enferm UERJ, 2017; 25:e26436. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2017.26436.
14. SmieskiI AF, Dullius JL, Venazzi CB. Fatores associados a não realização do exame papanicolau segundo a percepção das mulheres atendidas na ubs dr. Carlos Scholtão município de Sinop/MT.Sci. Elec. Arch. 2018; 11(2):119:132. Disponível em: https://doi.org/10.36560/1122018495
15. Santos JN; Gomes RS. Sentidos e Percepções das Mulheres acerca das Práticas Preventivas do Câncer do Colo do Útero: Revisão Integrativa da Literatura. Revista Brasileira de Cancerologia 2022; 68(2):e-031632. Disponível em: https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2022v68n2.1632.
16. Jacintho KS, Cavalcante KOR, Silva JMO, Santos AAP. Factores que influyen en la prevención del cáncer de cuello uterino en la comunidad quilombolas. Cultura de los Cuidados, 2018; 22(50):151-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14198/cuid.2018.50.14.
17. Soaigher KA, Acencio FR, Cortez DAG. O poder da vaidade e do autocuidado na qualidade de vida. Rev. Cinergis. 2017; 18(1):69-72. Disponível em: https://doi.org/10.17058/cinergis.v18i1.8218.
18. Fernandes NFS, Galvão JR, Assis MMA, de Almeida PF, dos Santos AM. Acesso ao exame citológico do colo do útero em região de saúde: mulheres invisíveis e corpos vulneráveis. Cad. Saúde Pública, 2019; 35(10): 1-19. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00234618
19. Luchetti JC, Fonseca MRCC, Traldi MC. Vulnerabilidade social e autocuidado relacionado à prevenção do câncer de mama e de colo uterino. REFACS. 2016; 4(02). Disponível em: https://doi.org/10.18554/refacs.v4i2.1639.
20. Silva VM, Vasconcelos KP, Diniz DDS, de Farias GM, de Oliveira AMA. Fatores que influenciam a não adesão da mulher ao exame papanicolau: revisão de literatura. Revista Interdisciplinar em Saúde, 2021; 8(único): 326-40. Disponível em: https://www.interdisciplinaremsaude.com.br/Volume_29/Trabalho_26_2021.pdf
21. Durand MK. Promoção da saúde das mulheres Quilombolas: a relação com os determinantes sociais. [Tese doutorado]. Florianópolis, SC: Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação Multidisciplinar em Saúde; 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/175834/345606.pdf?sequence=1&isAllowed=y.
22. Fernandes ETBS, Nascimento ER, Ferreira SL, Coelho EAC, Silva LR, Pereira COJ. Cervical cancer prevention among quilombola women in the light of Leininger’s theory. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e2016-0004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2016-0004.
23. Valente CA, Andrade V, Soares MBO, da Silva SR. Atividades educativas no controle do câncer de colo do útero: relato de experiência. Rev. Enferm. Cent.-Oeste Min., 2016; 5(3):1898-1904. Disponível em: https://doi.org/10.19175/recom.v5i3.576.
Cómo citar
Gonçalves De Souza, T., Pereira Alves, B., Lira da Silva, A. B., Alves Barbalho, I. L., de Abreu Temoteo, R. C., & Costa Fernandes, M. (2023). Dificuldades na prevenção do câncer de colo uterino: discurso de mulheres quilombolas. Investigación En Enfermería: Imagen Y Desarrollo, 25. https://doi.org/10.11144/Javeriana.ie25.dpcc
Sección
Artículos Originales de Investigación