Publicado Jan 1, 2021



PLUMX
Almetrics
 
Dimensions
 

Google Scholar
 
Search GoogleScholar
Descargas


Nadia Imelda Moncada Sevilla https://orcid.org/0000-0003-2544-3417

Maristela Carneiro https://orcid.org/0000-0002-6335-7379

Rita de Cássia Domingues dos Santos https://orcid.org/0000-0002-7825-7602

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Resumen

O filme Closet Monster, escrito e dirigido por Stephen Dunn, considerado um dos dez melhores filmes canadenses do ano 2015 pelo Toronto International Film Festival (TIFF), apresenta fortes influências do cinema queer e utiliza a música como elemento fundamental para caracterizar o protagonista, acompanhar a trama e conceder à obra um sentido que não seria o mesmo sem ela. Este artigo foca-se em uma cena próxima ao desenlace do filme (71’32”-75’43”), que se serve da peça musical pós-minimalista Trance 4, concebida em 1995 pelo compositor americano Michael Gordon e interpretada pelo grupo musical Icebreaker.. Desse recorte, emerge uma análise que tem como objetivos distinguir a contribuição da peça na composição da cena e discutir a influência mútua das linguagens musical e visual, ambas localizadas em tendências com características determinadas, quais sejam o cinema queer e o pós-minimalismo, respectivamente. Para tanto, a análise transita entre conceitos como linguagem musivisual, pontos de sincronização e pós-minimalismo musical. O artigo inicia com considerações sobre música pós-minimalista, cinema queer e os protagonistas de Trance, à guisa de contextualização, seguidas pela exploração da cena fílmica de Closet Monster, ambientada pela faixa musical Trance 4. Como conclusão, ressalta-se o papel da música na composição da cena. Pretende-se contribuir com este artigo para a ampliação dos debates sobre o uso de música pós-minimalista no cinema queer.

Keywords

Cinema, postminimalismo, composición de la escena, cine queerCinema, Composição da cena, Pós-minimalismo, Cinema QueerCinema, postminimalism, scene composition, queer cinema

References
“Bang on a Can”. Acesso 03 de dezembro de 2019, https://bangonacan.org/ store/music/trance.

"Cantaloupe Music”. Acesso 03 de dezembro de 2019, https://cantaloupemusic.com/artists/michael-gordon.

“Icebreaker”. Acesso 10 de dezembro de 2019. http://www.icebreaker.org.uk/repertoire/

“Michael Gordon” Acesso 03 de dezembro de 2019 https://michaelgordonmusic.com/about/bio.

Butler, Judith. 2003. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Chion, Michel. 2008. A audiovisão: som e imagem no cinema. Lisboa:Edições Texto e Grafia.

Cohen, Annabel. 1999. “Functions of music in multimedia: a cognitive approach”. Em Music, mind, and science, 40–68. Seoul, Korea: Seoul National University Press.

— 2001. “Music as a source of emotion in film”. Em Music and emotion: Theory and research, editado por Patrik N. Juslin, John A. Sloboda, 249–72. Reino Unido: Oxford University Press. https://t.ly/V2Gb

Duncan, Carol. 2012. “Quem rege o mundo da arte?” Em Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea 2, editado por Thaïs Flores Nogueira Diniz e André Soares Vieira, 17–39. Belo Horizonte: Rona Editora. https://t.ly/znUy

Dunn, Stephen, dir. 2015. Closet Monster. Canadá: Rhombus Media / Best Boy Entertainment.

Eisenstein, Serguei. 2002a. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

— 2002b. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Gann, Kyle. 2001. “Minimal music, maximal impact: Minimalism defined”.

New Music USA. 1 de novembro, 2001. https://nmbx.newmusicusa.org/minimal-music-maximal-impact/2/

Gértrudix, Manuel. 2003. Música, narración y medios audiovisuales. Madrid: Ediciones del Laberinto. https://t.ly/t397

Glazer, Joshua. 2017. “Orgullo Dance: el origen gay de la música electrónica”. VICE. 6 de junho de 2017. https://t.ly/C7EP

Kozinn, Allan. 2004. “MUSIC; The New York Composer Better Known Abroad” The New York Times, 9 de maio, 2004. https://t.ly/URb1

León, José. 2016. “Tortuoso camino a la autoaceptación”. Revista EL Antepenúltimo Mohicano. https://t.ly/5JHu. Acesso 10 de dezembro de 2019.

Leydon, Rebecca. 2002. “Towards a Typology of Minimalist Tropes”. Music Theory Online 4, 8. http://www.mtosmt.org/issues/mto.02.8.4/mto.02.8.4.leydon.html. Acesso 27 de novembro de 2019.

Lynch, Dave. 2005. “Michael Gordon / Icebreaker: Trance [2005]”. Resenha de Trance, de Michael Gordon. All music. https://t.ly/48qd

Macaulay, Scott. 2016. “Five Questions for Closet Monster Writer/Director Stephen Dunn”. Filmmaker Magazine: Directors Interviews, 23 de setembro de 2016. https://t.ly/Dbeg

Masnikosa, Marija. 2013. “A Theoretical Model of Postminimalism and Two Brief ‘Case Studies’”. Em The Ashgate Research Companion to Minimalist and Postminimalist Music. 297–313. England: Ashgate Publishing Limited.

Mennel, Barbara. 2012. Queer cinema: Schoolgirls, vampires and gay cowboys. Nova York: Columbia University Press.

Novak, Jelena. 2013. “From minimalist music to postopera: repetition, representation and (post) modernity in the operas of Philip Glass and Louis Andriessen”. Em The Ashgate Research Companion to Minimalist and Postminimalist Music. England: Ashgate Publishing Limited.

Petković, Danijela. 2018. “Heteronormativity and Toxic Masculinity in Stephen Dunn’s Closet Monster”. AM Journal of Art and Media Studies, 16: 43–54. http://dx.doi.org/10.25038/am.v0i16.253

Potter, Keith. 1996. “Classical music: Icebreaker; Queen Elizabeth Hall, sbc, London”. The Independent. 04 de dezembro de 1996. https://t.ly/optE

Potter, Keith, Kyle Gann e Pwyll Siôn. 2013. The Ashgate Research Companion to Minimalist and Postminimalist Music. England: Ashgate Publishing Limited.

Rajewsky, Irina. 2012 “A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade”. Em Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea 2. 51–73. Belo Horizonte: Rona Editora. https://t.ly/znUy

Robin, William. 2017. “Bang on a Can and Minimalism.” Sexta Conferência Internacional de Música e Minimalismo, University
of Tennessee, Knoxville, 21 a 25 de junho.

Rocha, Cássio Bruno Araújo. 2014. Um pequeno guia ao pensamento, aos conceitos e à obra de Judith Butler. Resenha de Judith Butler e a teoria queer, de Sara Salih. Cadernos Pagu, 43 jul./dez. 507– 516. http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400430507

Román, Alejandro. 2008. El lenguaje musivisual: semiótica y estética de la música cinematográfica. Madrid: Visión Libros.
Santos, Rita de Cássia Domingues. 2019. Repensando a terceira fasecomposicional de Gilberto Mendes: o Pós-Minimalismo nos mares do sul. Curitiba: CRV.

Scarpetta, Guy. 1985. L’Impureté. Paris: Editions Grasset & Fasquelle.

Schafer, Murray. 2011. O ouvido pensante. Trad. Marisa Trench O.

Fonterrada, Magda R. Gomes da Silva e Maria Lúcia Pascoal. 2.ed. São Paulo: Unesp.

Schwarz, K. Robert. 1996. Minimalists. Londres: Phaidon Press.

Strauss, Anselm. 1999. Espelhos e máscaras: A busca de identidade.

São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Strickland, Edward. 2000. Minimalism: Origins. Bloomington: Indiana University Press.
Cómo citar
Moncada Sevilla, N. I., Carneiro, M., & Domingues dos Santos, R. de C. (2021). Música post-minimalista en escena: un análisis del uso de trance 4 en Closet monster. Cuadernos De Música, Artes Visuales Y Artes Escénicas, 16(1), 170-191. https://doi.org/10.11144/javeriana.mavae16-1.mpme
Sección
Dossier