##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Francisca Bertilia Chaves Costa https://orcid.org/0000-0002-2672-3309

July Grassiely Grassiely de Oliveira Branco https://orcid.org/0000-0001-6188-9745

Francisca Alanny Rocha Aguiar

Geraldo Bezerra da Silva Júnior https://orcid.org/0000-0002-8971-0994

Maria  Vieira  de Lima Saintrain https://orcid.org/0000-0003-1514-3218

Ana María  Fontenelle Catrib https://orcid.org/0000-0002-2088-0733

Resumen

Objetivou-se identificar, dentre as prioridades estabelecidas, o alcance das metas pactuadas para a redução da carga de morbimortalidade das doenças e agravos não-transmissíveis e seus fatores de risco no Brasil. Estudo descritivo e exploratório realizado por meio de investigação documental de pesquisas científicas, tendo por base a Agenda Estratégica da Secretaria de Vigilância em Saúde. Diante das cinco metas propostas, identificaram-se como ações realizadas: Estabelecimento de ações específicas; Melhora no acesso aos serviços e planos de saúde e Programa Saúde da Família, vacinação e exames clínicos complementares; Investigação de fatores de riscos associados à saúde de escolares brasileiros; Monitoramento por inquérito telefônico dos fatores de risco e proteção para doenças crônicas até 2015; Vigilância das Doenças e Agravos Não-Transmissíveis e fatores de risco. Importantes avanços foram constatados pelos resultados identificados. Entretanto, para consolidação das metas, faz-se necessário monitoramento permanente e revisão das estratégias utilizadas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords

public health, enfermedades no transmisibles, problemas en Salud, indicadores de morbi-mortalidad, salud pública

References
1. Organização Mundial da Saúde. 2008-2013 action plan for the global strategy for the prevention and control of noncommunicable diseases: prevent and control cardiovascular diseases, cancers, chronic respiratory diseases and diabetes [Internet]. 2013 [acesso em 2018 abr. 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44009/1/9789241597418_eng.pdf
2. Organização Mundial da Saúde. Global status report on noncommunicable diseases [internet]. 2014 [acesso em 2018 abr. 20]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/148114/1/9789241564854_eng.pdf?ua=1
3. Malta DC, França E, Abreu DMX, Perillo RD, Salmen MC, Teixeira RA, et al. Mortality due to noncommunicable diseases in Brazil, 1990 to 2015, according to estimates from the Global Burden of Disease study. São Paulo Med J. 2017;135(3):213-221.
4. Centro Norte-Americano para Controle e Prevenção de Doenças. Economics of Ncds, Injury, And Environmental Health-CDC. Advancing Evidence-based Policies. For more information about CDC’s Global NCD, Injury, and Environmental Health initiatives [Internet]. 2016 [acesso em 2018 abr. 20]. Disponível em: http://www.cdc.gov/globalhealth/healthprotection/ncd
5. Organização Mundial da Saúde. The Global Economic Burden of Non-communicable Diseases - prepared by the World Economic Forum and the Harvard School of Public Health [Internet]. 2011 [acesso em 2018 abr. 20]. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s18804en/s18804en.pdf
6. Universidade de Washington. Carga de Doença Global: Gerando evidências, política de orientação. Seattle: Instituto de Métrica e Avaliação em Saúde; 2013.
7. Malta DC, Felisbino-Mendes MS, Machado IE, Passos VMA, Abreu DMX, Velásquez-Mélendez G, et al. Fatores de risco relacionados à carga global de doenças no Brasil e Unidades Federadas, 2015. Rev Bras Epidemiol. 2017 mai.;20(sup. 1):217-232.
8. Organização Mundial da Saúde. Metrics: Disability-Adjusted Life Year (Daly) [Internet]. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2019. Disponível em: https://www.who.int/healthinfo/global_burden_disease/metrics_daly/en/
9. Allen LN. Financiamento de respostas nacionais não transmissíveis. Ação Glob Saúde. 2017;10(1):132-187.
10. Checkley W, Ghannem H, Irazola V, Kimaiyo K, Naomi SL, Mirandaa JJ, et al. Management of Noncommunicable Disease in Low and Middle-Income Countries. Glob Heart. 2014;9(4):431-443.
11. Brasil, Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia metodológico de avaliação e definição de indicadores: doenças crônicas não transmissíveis e Rede Carmen. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.
12. Organização Mundial da Saúde. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.
13. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Agenda Estratégica 2011-2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
14. Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas; 2008.
15. Brasil, Ministério da Saúde. Resolução n. 466/12. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
16. Brasil, Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
17. República de Trinidade e Tobago, Ministério da Saúde. National Strategic Plan for the Prevention and Control of Non-Communicable Diseases: Trinidad and Tobago 2017-2021. Porto de Espanha: Working Together to Build a Healthy and Happy Nation; 2017.
18. Nigéria, Ministério da Saúde. National Strategic Plan of Action on Prevention and Control of Non-Communicable Ministry of Health Diseases Non-Communicable Disease. Division Federal Ministry of Health Abuja. Abuja: Ministério da Saúde; 2015.
19. África do Sul, Ministério da Saúde . Strategic plan for the prevention and control of non-communicable diseases 2013-17. Cidade do Cabo: Ministério da Saúde; 2013.
20. Organização Mundial da Saúde. WHO Global action plan for the prevention and control of noncommunicable disease 2013-2020. Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2013.
21. Malta DC, Silva Júnior JB. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil após três anos de implantação, 2011-2013. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(3):389-395.
22. Malta DC, Morais-Neto OL, Silva-Júnior JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. Epidemiol Serv Saúde. 2013;20(4):425-438.
23. Malta DC, Silva Júnior JB. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiole Serv Saúde. 2013;22(1):151-164.
24. Brasil, Ministério da Saúde. Programa Academia da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.
25. Sá G, Dornelles GC, Katia GC, Amorim RCA, Andrade S, Oliveira TP, et al. O programa academia da saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(6):1849-1859.
26. Brasil, Ministério da Saúde. Programa Saúde na Escola (PSE). Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
27. Sousa MC, Esperidião MA, Medina MG. A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(6):1781-1790.
28. Brasil, Secretaria Executiva. Praça dos Esporte e de Cultura (PAC 2). O que é? Brasília: PAC 2; 2004.
29. Fuller CW, Thiele ES, Flores M, Junge A, Netto D, Dvorak JA. Successful nationwide implementation of the ‘FIFA 11 for Health’ programme in Brazilian elementary schools. Br J Sports Med. 2015;49:623-629.
30. Brasil, Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.
31. Brasil, Ministério da Saúde. Alimentos regionais brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
32. Brasil, Ministério da Saúde. Termo de Compromisso que firmam entre si a União, por intermédio do Ministério da Saúde, e a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (Abima), a Associação Brasileira da Indústria de Trigo (Abibtrigo) e a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip), com a finalidade de estabelecer metas nacionais para a redução do teor de sódio em alimentos processados no Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/termo_abia.pdf
33. Brasil, Ministério da Saúde. Manual das cantinas escolares saudáveis: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
34. Brasil, Secretaria de Direitos Humanos. Resolução nº 163, de 13 de março de 2014. Dispõe sobre a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança e ao adolescente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2014 abr. 4;seção 1:4.
35. Ferreira JT, Lemos J, Bosco SM, Sherer F. Alimentação na escola e estado nutricional de estudantes do ensino fundamental. Rev Bras Prom Saúde. 2014;27(3):349-356.
36. Camozzi ABQ, Monego EAT, Menezes IHC, Francescantonio SPO. Promoção da Alimentação Saudável na Escola: realidade ou utopia? Cad Saúde Coletiva. 2015;23(1):32-37.
37. Batista MAS, Mondini L, Jaime PC. Ações do Programa Saúde na Escola e da alimentação escolar na prevenção do excesso de peso infantil: experiência no município de Itapevi, São Paulo, Brasil, 2014. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(3):569-578.
38. Brasil, Governo federal. Lei 12.546, de 14 de dezembro de 2011. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2011 dez. 15;seção 1:3.
39. Malta DC, Porto OT, Siqueira SMA, Andrade S, Araújo SC, Alves S. Avanços do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis no Brasil, 2011-2015. Epidemiol Serv Saúde. 2016;25(2):373-390.
40. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria Interministerial n. 2.647, de 4 de dezembro de 2014. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2014 dez. 05; seção 1: 41.
41. Brasil, Ministério da Saúde. Mais de 212 mil brasileiros admitem usar narguilé. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
42. Brasil, Ministério da Saúde da Saúde. Dia Mundial sem Tabaco 2015: eliminar o comércio ilegal de produtos de tabaco. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
43. Palazzo LS, Aerts D, Alves GG, Câmara S. Uso de álcool, tabaco e outras drogas por adolescentes escolares de Porto Velho-RO, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):399-410.
44. Freitas MPS, Lila MF, Azevedo RV, Antonaci GA. Amostra mestra para o sistema integrado de pesquisas domiciliares. Rio de Janeiro: Ibge; 2007.
45. Brasil, Ministério da Saúde. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa nacional de saúde 2013: acesso e utilização dos serviços de saúde, acidentes e violências. Rio de Janeiro: Ibge; 2015.
46. Fullman N, Yearwood J, Abay SM, Abbafati C, Abd-Allah F, Abdela J, et al. Measuring performance on the Healthcare Access and Quality Index for 195 countries and territories and selected subnational locations: a systematic analysis from the Global Burden of Disease Study 2016. The Lancet. 2018 mai. 23;391(10136):2236-2271.
47. Iser BPM, Stopa SR, Chueiri PS, Szwarcwald CL, Malta DC, Monteiro HOC, et al. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):305-314.
48. Tavares NUL, Costa KS, Mengue SS, Vieira MLFP, Malta DC, Silva Júnior JB. Uso de medicamentos para tratamento de doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):315-323.
49. Malta DC, Andrade S, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Silva Júnior JB, et al. Estilos de vida da população brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):217-226.
50. Brasil, Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2013.
51. Duarte EC, Garcia LP. Adolescent drivers in Brazil: prevalence and associated factors estimated from the National Adolescent School-based Health Survey (PeNSE 2012). Rev Bras Epidemiol. 2014;17:3-16.
52. Malta DC, Andreazzi MA, Oliveira-Campos M, Andrade SS, Sá NN, Moura L, Dias AJ, et al. Trend of the risk and protective factors of chronic diseases in adolescents, National Adolescent School-based Health Survey (PeNSE 2009 e 2012). Rev Bras Epidemiol. 2014;17:77-91.
53. Malta DC, Stopa SR, Santos MAS, Andrade S, Oliveira MM, Prado RR, et al. Fatores de risco e proteção de doenças e agravos não transmissíveis em adolescentes segundo raça/cor: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(2):247-259.
54. Mello FCM, Silva JL, Oliveira WA, Prado RR, Malta DC, Silva MAI. A prática de bullying entre escolares brasileiros e fatores associados, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(9):2939-2948.
55. Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2013. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.
56. Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel 2006: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.
57. Malta DC, Bernal RTI, Nunes ML, Oliveira MM, Iser BPM, Andrade S, et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(4):609-622.
58. Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
59. Brasil, Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.
60. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 23, de 9 de agosto de 2012. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2012 ago 10;seção 1:43.
Cómo citar
Chaves Costa, F., de Oliveira Branco, J. G., Rocha Aguiar, F., Bezerra da Silva Júnior, G., de Lima Saintrain, M., & Fontenelle Catrib, A. (2019). Avances para la reducción de morbi-mortalidad en enfermedades crónicas no transmisibles en la población brasileña. Gerencia Y Políticas De Salud, 18(37), 1-29. https://doi.org/10.11144/Javeriana.rgps18-37.armd
Sección
Artículos
Artículos más leídos del mismo autor/a