##plugins.themes.bootstrap3.article.main##


Dixis Figueroa Pedraza https://orcid.org/0000-0002-5394-828X

Resumen

Objetivo: avaliar a qualidade do preenchimento do instrumento de acompanhamento da saúde da criança em um município do nordeste brasileiro. Método: estudo transversal envolvendo 204 crianças assistidas em 16 unidades de saúde da família. Analisou-se o preenchimento do Cartão da Criança (CC) e da Caderneta de Saúde da Criança (CSC), diferenças entre os mesmos e fatores associados. Resultados: o preenchimento foi insatisfatório em 37,2% dos CC e 50,5% das CSC. Na CSC, observou-se menor frequência de preenchimento correto para: suplementação com ferro (0%), desenvolvimento (1,1%), pré-natal (9,9%), alimentação na alta da maternidade (17,6%) e gráficos de crescimento (0%-27,5%). A CSC teve menor percentual de preenchimento correto para nome da criança, tipo de parto e anotações do peso no gráfico. Crianças de mães com companheiro (p = 0,045) e meninas (p = 0,017) apresentaram menor chance de preenchimento inadequado do CC e da CSC, respectivamente. Conclusão: há subutilização do instrumento de vigilância à saúde da criança.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Keywords

Registros de salud personal, atención primaria a la salud, promoción de la salud, conocimientos, actitudes y práctica en salud, políticas, planeación y administración en salud, gestión en salud

References
1. Amorim LP, Senna MIB, Soares ARS, Carneiro GTN, Ferreira EF, Vasconcelos M, et al. Avaliação do preenchimento da Caderneta de Saúde da Criança e qualidade do preenchimento segundo o tipo de serviço de saúde usado pela criança. Cien Saude Colet. 2018;23(2):585-597.
2. Ceia MLM, Cesar JA. Avaliação do preenchimento dos registros de puericultura em unidades básicas de saúde em Pelotas, RS. Revista da AMRIGS. 2011;55(3):244-249.
3. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria n. 964, de 23 de junho de 2005. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 2005 jun. 24; seção I: 74.
4. Brasil, Ministério da Saúde. Manual para utilização da Caderneta de Saúde da Criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.
5. Andrade GN, Rezende TMRL, Madeira AMF. Caderneta de Saúde da Criança: experiências dos profissionais da atenção primária à saúde. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(5):857-864.
6. Vieira GO, Vieira TO, Costa MCO, Netto PVS, Cabral VA. Uso do cartão da criança em Feira de Santana, Bahia. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(2):177-184.
7. Oliveira CB, Maciel ELN, Frechiani JM, Silva FM, Brotto LDA. Avaliação das práticas educativas desenvolvidas nas consultas médicas e de enfermagem nas Unidades de Saúde da Família da região de Maruípe, Vitória, ES. Cad Saúde Colet. 2008;16(3):513-526.
8. Gauterio DP, Irala DA, Cezar-Vaz MR. Puericultura em Enfermagem: perfil e principais problemas encontrados em crianças menores de um ano. Rev Bras Enferm. 2012;65(3):508-513.
9. Alves CRL, Lasmar LMLBF, Goulart LMHF, Alvim CG, Maciel GVR, Viana MRA, et al. Qualidade do preenchimento da Caderneta de Saúde da Criança e fatores associados. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):583-595.
10. Goulart LMHF, Alves CRL, Viana MRA, Moulin ZS, Carmo GA, Costa JG, et al. Caderneta de Saúde da Criança: avaliação do preenchimento dos dados sobre gravidez, parto e recém-nascido. Rev Paul Pediatr. 2008;26(2):106-112.
11. Abreu TGT, Viana LS, Cunha CLF. Desafios na utilização da Caderneta de Saúde da Criança: entre o real e o ideal. J Manag Prim Health Care. 2012;3(2):80-83.
12. Costa JSD, Cesar JÁ, Pattussi MP, Fontoura LP, Barazzetti L, Nunes MF, et al. Assistência à criança: preenchimento da caderneta de saúde em municípios do semiárido brasileiro. Rev Bras Saude Matern Infant. 2014;14(3):219-227.
13. Brasil, Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Cadernos de Atenção Básica [Internet]. 2012; 32. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf
14. Brasil, Ministério da Saúde. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Cadernos de Atenção Básica [Internet]. 2012; 33. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_crescimento_desenvolvimento.pdf
15. Brasil, Ministério da Saúde. Manual operacional do Programa Nacional de Suplementação de Ferro. Brasília: Ministério da Saúde; 2005.
16. Venables WN, Ripley BD. Modern Applied Statistics with S. Nova York: Springer; 2002. 17. Linhares AO, Gigante DP, Bender E, Cesar JA. Avaliação dos registros e opinião das mães sobre a caderneta de saúde da criança em unidades básicas de saúde, Pelotas, RS. Rev AMRIGS. 2012;56(3):245-250.
18. Palombo CNT, Fujimori E, Toriyama ATM, Duarte LS, Borges ALV. Dificuldades no aconselhamento nutricional e acompanhamento do crescimento infantil: perspectivas de profissionais. Rev Bras Enferm. 2017;70(5):1000-1008.
19. Einloft ABN, Cotta RMM, Araújo RMA. Promoção da alimentação saudável na infância: fragilidades no contexto da ação básica. Cien Saude Colet. 2018;23(1):61-72.
20. Figueroa-Pedraza D, Santos IS. Assessment of growth monitoring in childcare visits at the Family Health Strategy in two municipalities of Paraíba State, Brazil. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(4):847-855.
21. Billah SM, Saha KK, Khan ANS, Chowduhry AH, Garnett SP, Arifeen SE, et al. Quality of nutrition services in primary health care facilities: Implications for integrating nutrition into the health system in Bangladesh. PLoS One. 2017;12(5):e0178121.
22. Bolka H, Abajobir AA. The practice of essential nutrition actions in healthcare deliveries of Shebedino District, South Ethiopia. ARSci. 2014;2(1):8-15.
23. Damasceno SS, Nóbrega VM, Coutinho SED, Reichert APS, Toso BRGO, Collet N. Saúde da criança no Brasil: orientação da rede básica à Atenção Primária à Saúde. Cienc Saude Colet. 2016;21(9):2961-2973.
24. Silva GS, Fernandes DRF, Alves CRL. Avaliação da assistência à saúde da criança na Atenção Primária no Brasil: Revisão sistemática de métodos e resultados. Cienc Saude Colet. 2019;1:008.
25. Sardinha LMV, Pereira MG. Avaliação do preenchimento do Cartão da Criança no Distrito Federal. Brasília Med. 2011;48(3):246-251.
26. Palombo CNT, Duarte LS, Fujimori E, Toriyama ATM. Uso e preenchimento da Caderneta de Saúde da Criança com foco no crescimento e desenvolvimento. Rev Esc Enferm USP. 2014;48(esp):60-67.
27. Amorim LP, Senna MIV, Gomes VE, Amaral JHL, Vasconcelos M, Silva AG, et al. Preenchimento da Caderneta de Saúde da Criança nos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Epidemiol Serv Saude. 2018;27(1):e201701116.
28. Osaki K, Hattori T, Kosen S. The role of home-baseds in the establishment of continuum of care for mothers, newborns, and children in Indonesia. Glob Health Action. 2013;6:1-12.
29. Nakamura Y. Maternal and Child Health Handbook in Japan. JMAJ. 2010;53(4):259-265.
30. Cruz R, Caminha MFC, Batista-Filho M. Aspectos históricos, conceituais e organizativos do pré-natal. Rev Bras Ciências Saúde. 2014;18(1):87-94.
31. Assunção PL, Novaes HMD, Alencar GP, Melo ASO, Almeida MF. Desafios na definição da idade gestacional em estudos populacionais sobre parto pré-termo: o caso de um estudo em Campina Grande (PB), Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(3):455-466.
32. Faria M, Nogueira TA. Avaliação do uso da Caderneta de Saúde da Criança nas unidades básicas de saúde em um munícipio de Minas Gerais. Rev Bras Ciências Saúde. 2013;11(38):8-15.
33. Rocha ACD, Figueroa-Pedraza D. Acompanhamento do crescimento infantil em unidades básicas de saúde da família do município de Queimadas, Paraíba, Brasil. Texto Contexto Enferm. 2013;22(4):1169-1178.
34. Figueroa-Pedraza D. Growth surveillance in the context of the Primary Public Healthcare Service Network in Brazil: literature review. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2016;16(1):7-19.
35. Carvalho MF, Lira PIC, Romani SAM, Santos IS, Veras AACA, Batista FM. Acompanhamento do crescimento em crianças menores de um ano: situação nos serviços de saúde em Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(3):675-685.
36. Arruda SLS, Lima MCF. O novo lugar do pai como cuidador da criança. Est. Inter. Psicol. 2013;4(2):201-216.
37. Conde WL, Monteiro CA. Nutrition transition and double burden of undernutrition and excess of weight in Brazil. Am J Clin Nut. 2014;100(suppl):1617s-1622s.
38. Nascimento, CRR, Trindade, ZA. Criando meninos e meninas: investigação com famílias de um bairro de classe popular. Arq Bras Psicol. 2010;62(2):187-200.
39. Machin R, Couto MT, Silva GSN, Schraiber LB, Gomes R, Figueiredo WS, et al. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Cienc Saúde Colet. 2011;16(11):4503-4512.
40. Blanco e Silva F, Gaíva MAM, Mello DF. Utilização da caderneta de saúde da criança pela família: percepção dos profissionais. Texto Contexto Enferm. 2015;24(2):407-414.
Cómo citar
Figueroa Pedraza, D. (2019). Calidad del diligenciamiento del instrumento de seguimiento de salud infantil en un municipio do noreste brasileño. Gerencia Y Políticas De Salud, 18(37), 1-21. https://doi.org/10.11144/Javeriana.rgps18-37.qpia
Sección
Artículos